UMA VISITA APAIXONANTE AO CORAÇÃO DA ROTA DA SEDA

13 de junho de 2018 em Viagens e Destinos.
Escrito por: Priscila Esteves, publicitária e colaboradora da Donato.

Aventurar-se pelo mundo é um sentimento cultivado por todos nós, que somos apaixonados por viagens. Mas é imprescindível ter conhecimento sobre os destinos antes de visitá-los, principalmente aqueles que pretendemos incluir em nossa programação e para onde levaremos nossos viajantes. Por isso, bem antes dos grupos da Donato embarcarem, precisamos ter a certeza de que o lugar escolhido tem todos os pré-requisitos para um roteiro com boas atrações, mas que também tenha a estrutura e o conforto que prezamos.

Pensando nisso, a Fabiana Donato foi pessoalmente conhecer um dos territórios mais singulares do mundo: o Uzbequistão. Na Ásia Central, países como esse costumam carregar um estigma por terem uma cultura tão diferente da nossa. Ter receio do desconhecido é natural, mas é importante se abrir para descobrir que surpresas positivas podem vir de onde menos imaginamos. Justamente para quebrar esses paradigmas, a Fabiana, que adora descobrir novos lugares e culturas, embarcou nessa viagem única. Aqui, ela nos conta o que encontrou de mais marcante durante seus 10 dias no Uzbequistão.

BLOG Donato: O que você pensou quando soube que iria ao Uzbequistão? Sua expectativa mudou conforme a viagem acontecia? 

Fabiana Donato: A primeira coisa que eu pensei foi “o que eu vou fazer nesse país?”. Apesar de ter lido e estudado sobre o Uzbequistão, sentia uma certa insegurança porque não conhecia a região e não sabia o que esperar, o que iria encontrar e como seria a receptividade dos uzbeques. Mas quando cheguei lá, tudo que vi me surpreendeu. Durante a viagem, eu pude perceber quão seguro é o país e que as pessoas são muito educadas. A cultura e a história também são muito vistas durante os passeios, isso tudo enriqueceu minha experiência.

BLOG Donato: Quais as suas lembranças mais vivas da viagem?

Fabiana Donato: Os monumentos, que são realmente muito bonitos, com cores bem vivas. Sempre tínhamos em mente os “5 Ms”: madrassas, mesquitas, mausoléus, minaretes e mercados, que estão em todo lugar. Nessas construções, o contraste do ocre com os detalhes em tons de azul turquesa formam um visual inesquecível. Isso tudo me deixou deslumbrada. Em todas as cidades, a História está muito presente e o guia sempre nos passava essas informações. Ter um guia do próprio país fez toda a diferença, pois ele nos acrescentou informações das suas próprias vivências. Outro ponto marcante é a influência russa – que pode ser vista nas avenidas largas e floridas, principalmente na cidade de Tashkent, já que o país fez parte da União Soviética. Mas ao mesmo tempo valoriza sua própria cultura e suas crenças, muito vivas entre a população.

Praça Registan Samarcanda Uzbequistão Uma das madrassas da Praça Registan em Samarcanda

cidadela Ark Bukhara Uzbequistão Fabiana Donato na cidadela Ark em Bukhara

Mausoléu Samarcanda Uzbequistão Mausoléu em Samarcanda

BLOG Donato: No coração da Rota da Seda, importante trajeto comercial entre Europa e Ásia, o Uzbequistão tem um passado grandioso. Ainda hoje, suas cidades têm uma atmosfera monumental, com templos e outras construções magníficas. Quais pontos você acha que não podem faltar em um roteiro para lá?

Fabiana Donato: Essa é uma pergunta difícil de responder, porque tudo é marcante. Cada monumento e cada cidade visitada tem suas características únicas. Mas uma visita que foi indispensável e que nos ajudou a entender a importância da Rota da Seda foi ao complexo arquitetônico Ichan – Kala, na cidade de Khiva. É um exemplo bem conservado da arquitetura muçulmana na Ásia Central e Patrimônio Mundial da Humanidade desde 1990. Lá pude conhecer profundamente as influências dos povos que passaram pelo país nos últimos séculos, como os mongóis e persas, entre tantos outros.

BLOG Donato: É comum associarmos os países da Ásia Central a certos costumes, como por exemplo o uso de vestimentas obrigatórias para as mulheres ou ao extremismo religioso. Felizmente, isso não acontece no Uzbequistão. Como foi sua experiência ao caminhar pelas ruas? 

Fabiana Donato: Durante todo roteiro pelo Uzbequistão, nos sentimos muito seguros e tranquilos. Não existe restrição ao uso de vestimentas, nem para os turistas e nem para os locais. As mulheres lá não andam de burca e os homens também não usam as roupas típicas de países muçulmanos. Apesar de não ser um país rico, a educação é uma prioridade, por isso, sempre vimos as ruas limpas e as cidades bem organizadas.

mausoléu uzbequistão Uzbeques caminhando perto de um mausoléu

BLOG Donato: Cada lugar no mundo tem um charme especial. A arquitetura do Uzbequistão, as estampas dos tecidos e sua arte revelam uma identidade estética muito peculiar. O que você trouxe na mala ou que recomendaria que as pessoas comprassem de lá? 

Fabiana Donato: Existe muita coisa legal para comprar no Uzbequistão! Por exemplo, as cerâmicas pintadas à mão: vasilhas, pratinhos, bonecos e uma infinidade de opções. As peças de tecido também são lindas e feitas à mão com um bordado chamado Suzani, que é bem característico do país, com cores vibrantes e figuras alegres. Esse artesanato pode ser encontrado facilmente nas ruas, lojinhas e mercados. Uma peça que recomendo trazer são echarpes feitas com lã de camelo, que é diferente de qualquer outra: macia, não solta pelo, é leve e esquenta muito bem.

Samarcanda Uzbequistão Artesão no mercado Taqi Sarrafon em Samarcanda

artesanato Uzbequistão Almofadas e bolsas com o bordado Suzani

artesanato Uzbequistão Cerâmicas e bonecos feitos à mão em Khiva

BLOG Donato: Como você definiria o povo uzbeque e sua cultura?

Fabiana Donato: É um povo muito receptivo, alegre, educado e curioso! Gostam de saber de onde os turistas são e sempre tentam alguma comunicação. A língua do país é o uzbeque, que lembra bastante o russo, e o inglês não costuma ser falado pelos locais. Mas mesmo assim, tentam se comunicar com a gente dos jeitos que puderem: fazem mímicas, mostram os produtos – quando estamos nos mercados – e se esforçam para quebrar essa barreira linguística.

BLOG Donato: Quais costumes achou mais diferentes e encantadores por lá? 

Fabiana Donato: Principalmente nas cidades menores, os habitantes ainda não estão acostumados a receber tantos turistas, então eles acham muito interessante quando encontram alguém de outro país. Até pedem para tirar fotos – eu mesma saí em várias! Os casamentos também são parte muito importante das tradições uzbeques. Em cada local por onde passamos, vimos uns dois ou três casamentos. É muito encantador! Vimos os casais de jovens noivos saindo pelas ruas e praças para tirar fotos, com os convidados acompanhando esse movimento. E o mais curioso: os casamentos são feitos a todo tempo, em qualquer dia e horário da semana.

BLOG Donato: Sobre a culinária, você teve algum prato preferido? Como pode descrever os temperos de lá?

Fabiana Donato: Gostei bastante da comida de lá. Tem pratos que lembram a comida árabe, usando ingredientes como pepinos, tomates, além dos charutinhos e pastas árabes. Um ponto legal é que os uzbeques valorizam os modos de preparo tradicionais, usando panela de ferro fundido. O prato típico deles é o plov, uma comida que sustenta mas não é pesada, feita com carne de cordeiro e vegetais. No Uzbequistão, também se consomem muitas frutas – in natura e secas – que estão por toda parte nos mercados. Além de uma infinidade de pães salgados, que pode ser puros ou com algum tempero, como tomate seco e orégano.

culinária Uzbequistão Pães vendidos nos mercados do Uzbequistão

culinária Uzbequistão Frutas secas e nozes, comuns na culinária uzbeque

BLOG Donato: Acha que essa viagem causou alguma transformação em você? Algum pensamento vem quando lembra suas experiências nessa atmosfera tão cheia de vida e de História?

Fabiana Donato: Voltei com a mente e o coração mais abertos para entender melhor esses povos, que por muito tempo viveram isolados e que hoje ainda mantém seus costumes. Aprendemos a respeitar mais e dar atenção a essa região que não costuma ser muito procurada por turistas, talvez por falta de conhecimento. Mas é um destino que recomendo conhecer e que eu particularmente voltaria. O Uzbequistão é um país onde podemos vivenciar os costumes locais de uma forma única, totalmente diferente de ir para destinos da Europa, por exemplo.

BLOG Donato: Quem você gostaria de levar com você nessa viagem e por quê?

Fabiana Donato: Eu gostaria de levar o meu marido e meus filhos. Meu marido, que é mais conservador, para entender que o Uzbequistão é um lugar que merece ser visitado e tenho certeza que ele iria gostar. Meus filhos, para entrarem em contato com esse país que tem uma história e cultura tão vivas!

+ Veja a programação do nosso grupo para o Uzbequistão em novembro

 

Matérias relacionadas

O MAPA DO MUNDO NA SUA MÃO

Uma das maiores graças de viajar pelo mundo é encontrar cenas que nunca vimos, e que possivelmente não veremos mais. Viver culturas distantes, conhecer hábitos, paisagens e sabores podem inspirar reflexões sobre o

A EQUIPE DONATO CONTA: QUAL SEU SONHO DE VIAGEM PARA 2018?

Quando trabalhamos com viagens, existe uma boa chance de nos apaixonarmos cada vez mais por esse mundo e as inúmeras possibilidades de destinos para conhecer! Assim como os viajantes da Donato, nossa equipe

ANTES DO ANO ACABAR, QUE TAL UMA VOLTA PELO UZBEQUISTÃO?

Certos sonhos parecem ousados e alguns planos de vida vamos deixando para depois. Uma das dicas mais importantes para realizar tudo que nos propomos é colocar prazos, cumprir metas, e isso serve principalmente

Ver todos os posts

Para participar com seus relatos, fotos ou sugestões de assuntos e viagens, por favor envie um e-mail para [email protected]