PAISAGENS GASTRONÔMICAS — OS AZEITES DE BIA: COLHIDOS À MÃO, NA ENCOSTA DA SERRA

27.05.2020 em Novidades e Inspirações.
Autor do post: Xavier Bartaburu, autor do livro Paisagens Gastronômicas

Em Santo Antônio do Pinhal, a Fazenda do Campo Alto, que produz os azeites Sabiá, tem uma produção pequena: são só 5,7 mil oliveiras, distribuídas pelos 40 hectares da propriedade rural. Pequena porque Bia Pereira e Bob Vieira da Costa, casal de publicitários habitantes da capital, só começaram a plantar as primeiras mudas em 2014, já de olho numa futura mudança da cidade para o campo.

Pequena a produção, mas nem por isso inexpressiva: já na primeira extração, em 2018, o azeite da Sabiá saiu-se com uma acidez surpreendente. Tamanha qualidade os levou a figurar entre os produtores selecionados no livro Paisagens Gastronômicas, com histórias saborosas que a Donato Viagens têm compartilhado por aqui.

Bia Pereira Fazenda Do Campo Bia Pereira na Fazenda do Campo Alto em Santo Antônio do Pinhal

“Nós achamos que é a máquina”, pondera Bia, mencionando o equipamento italiano de ponta que cintila no lagar da fazenda, ao lado de uma oliveira tricentenária (e ainda produtiva) que o casal trouxe do Uruguai. Uma máquina, ela explica, inteiramente vedada, que impede o contato das azeitonas com o oxigênio durante o processamento, garantindo sua alta qualidade. A Sabiá é uma das duas únicas marcas paulistas que possuem lagar próprio – a outra é a Oliq, na vizinha São Bento do Sapucaí.

Azeites Sabiá Santo Antônio do Pinhal

Mas o bom azeite não depende só de máquinas, e aí é que entra a vantagem do terroir.

Desde 2008, quando a olivicultura começou a se disseminar pela Serra da Mantiqueira a partir do sucesso na extração do primeiro azeite extravirgem brasileiro, essa região se tornou um próspero polo de fabricação. Em 2018 já existia 1 milhão de oliveiras plantadas em toda a serra, das quais cerca de 160 produtores extraíam 80 mil litros de azeite. Em uma década, a Mantiqueira alcançou metade da produção nacional, disputando o mercado com os gaúchos.

O sul do país tem o mérito da latitude, pois a oliveira é uma planta que precisa de temperatura abaixo de 12 graus por no mínimo 300 horas por ano. Na Mantiqueira, o ganho está justamente na altitude: os pomares ficam todos acima dos mil metros, adornando as encostas em grossas fileiras de árvores voltadas para a luz do Sol, como se estivessem ali rendendo algum insólito culto de devoção ao astro-rei. E com a bela vista para a Pedra do Baú.

Fazenda do Campo Alto Serra da Mantiqueira Fazenda do Campo Alto com vista para a Serra da Mantiqueira

Beleza, nesse caso, tem preço, e ele é cobrado na hora da colheita: não bastasse a inviabilidade de um trator subir pelas encostas, é também preciso enfiar o pé na lama para coletar as azeitonas, uma vez que elas frutificam bem na época da chuva, em pleno verão. Faz-se necessário ainda fincar com vergalhões os sombrites onde caem as azeitonas, para evitar que saiam rolando morro abaixo. Se o pampa gaúcho tem o privilégio do relevo plano, onde o plantio extensivo e a mecanização favorecem a produção comercial em larga escala, na Mantiqueira a colheita será sempre manual.

“O azeite daqui nunca vai ser de grande produção”, afirma Bia.

Azeites Sabiá Serra da Mantiqueira Azeites Sabiá

Isso significa que teremos sempre em terras paulistas esse azeite único, de safra limitada, feito de azeitonas colhidas à mão, uma a uma, e processadas tão logo deixam o pé. E com um adicional que azeites de terras estrangeiras jamais poderão proporcionar: o frescor.

Fotografia: Adriano Fagundes / Paisagens Gastronômicas

 

Conheça mais sobre o Azeites Sabiá

Acesse o site, clicando aqui.

Siga no Instagram, clicando aqui.

Paisagens Gastronômicas – da terra ao prato: um cultivo artesanal

Leia a matéria de apresentação do Paisagens Gastronômicas no blog da Donato

Aos interessados em conhecer a fundo essa iniciativa

É possível adquirir o livro Paisagens Gastronômicas com desconto especial para os leitores da Donato.

Para aplicar o desconto siga os seguintes passos

Clique aqui para acessar o site Paisagens Gastronômicas. Já no site deles clique em “loja”, em seguida na imagem do livro e clique em “adicionar ao carrinho”.  No espaço “inserir código promocional” digite a palavra Donato

 

Matérias relacionadas

PAISAGENS GASTRONÔMICAS — DA TERRA AO PRATO: UM CULTIVO ARTESANAL

O livro Paisagens Gastronômicas, lançado em 2019 pela editora independente Same Same, reforça a importância de olharmos com atenção para nossos hábitos de consumo. Especialmente, aqueles relacionados aos alimentos que colocamos na mesa e que contribuem para uma vida mais saudável e longeva. Na Donato, abraçamos esse projeto e vamos compartilhar uma série de histórias inspiradoras de pequenos produtores paulistas compromissados com a qualidade e a sustentabilidade.

PAISAGENS GASTRONÔMICAS: PAULA, A PRODUTORA DE QUEIJOS QUE DÁ NOME ÀS VACAS

Paula Vergueiro sabe de cor o nome das 83 vacas das quais tira o leite para os queijos deliciosos que produz na premiada Leiteria Santa Paula, de São José do Rio Pardo. Ela é uma das pequenas produtoras de alimento de alta qualidade estreladas no livro Paisagens Gastronômicas – São Paulo, recém-lançado pela Editora Same Same e cujas histórias a Donato Viagens se orgulha de compartilhar.

5 DICAS DE PRATOS GREGOS HARMONIZADOS COM VINHOS

O povo grego sempre viu sua cultura como motivo de grande orgulho, e a culinária é uma dessas tradições que ultrapassam fronteiras e muito tem a nos inspirar. Hoje, separamos 5 opções de pratos gregos e suas harmonizações com vinhos do mundo todo, sugeridos pelo sommelier Ademar Pedrosa.

Ver todos os posts

Para participar com seus relatos, fotos ou sugestões de assuntos e viagens, por favor envie um e-mail para [email protected]