PAISAGENS GASTRONÔMICAS: PAULA, A PRODUTORA DE QUEIJOS QUE DÁ NOME ÀS VACAS

12.05.2020 em Novidades e Inspirações.
Autor do post: Xavier Bartabur, autor do livro Paisagens Gastronômicas

“Essa é a Catirina. Aquela é a Saracura. E ali vem vindo a Morena.” Sim, Paula Vergueiro sabe de cor o nome das 83 vacas das quais tira o leite para os queijos deliciosos que produz na premiada Leiteria Santa Paula, de São José do Rio Pardo. Ela é uma das pequenas produtoras de alimento de alta qualidade estreladas no livro Paisagens Gastronômicas – São Paulo, recém-lançado pela Editora Same Same e cujas histórias a Donato Viagens se orgulha de compartilhar.

Na fazenda de Paula existem quase 200 animais, entre vacas, novilhas e bezerras, mas só as que já pariram – e que, portanto, dão leite – é que têm o privilégio do batismo. “É para que a gente possa identificar as crias depois”, diz Paula. O que mais tem é vaca com nome de mulher: “Essa aqui é a Duda. E atrás dela vem a Dalva”. Arte dos funcionários, que vira e mexe dão de batizar o animal com o nome da namorada.

vaca Leiteria Santa Paula

E há Faísca, o touro, que de longe espreita seu harém, atento a cada fêmea que sai da ordenha de volta ao pasto. Não que tenha privilégios: a cruza só se dá quando a vaca quer. E com o objetivo único de emprenhá-la e estimular a produção de leite.

As vacas da Leiteria Santa Paula são todas da raça Girolanda, linhagem mestiça que surgiu do cruzamento do gado Gir indiano com o Holandês – daí o nome. O primeiro preza pela rusticidade; o segundo, pela produtividade. Da mistura dos dois nasceu um rebanho com farta produção de leite e, ao mesmo tempo, perfeito para ser criado à solta, no pasto – uma escolha da qual Paula não abre mão.

Leiteria Santa Paula

“Tudo interfere na qualidade do leite: o que a vaca come, a água que ela bebe, o tipo de conforto que você dá a ela.”

Quanto a isso, a vida na Leiteria é quase como num hotel-fazenda: um valezinho bonito a meio caminho entre São José do Rio Pardo e Itobi, enfeitado por um açude que reflete a luz do céu nos dias de sol. Um cinturão de árvores serve de sombra às vacas nesses mesmos dias quentes, bem ali onde há pasto à vontade, além de silagem complementar, e espaço de sobra para dar de mamar aos bezerros que crescem a seus pés.

O queijos da Leiteria Santa Paula são todos de massa fresca: “O leite que eu tiro hoje vira queijo amanhã, sem nenhum artifício, nenhuma artimanha”. Sal, muito pouco ou quase nada. E algo de coalho, apenas para suprir a ausência de microrganismos decorrente da pasteurização. “Basicamente, eu tiro as bactérias nocivas e coloco no lugar as que eu quero”.

Da fazenda, o leite de Dalva, Catirina, Saracura e outras tantas segue sem escalas para a beira da estrada, onde uma casa que serve de fábrica, venda e café encarrega-se de transformá-lo em ricotas, coalhadas, frescais e, principalmente, uma variação do queijo Boursin que Paula batizou de Fermier – o mais premiado da Leiteria. Em vez de fôrmas, usam-se sacos de pano para escorrer o soro, o que, somado ao alto teor de gordura e proteína, resulta em queijos de assombrosa cremosidade.

queijos Leiteria Santa Paula

Não estranhe a folhinha de hortelã que vem na embalagem: é o termômetro do queijo. Quanto mais fresco, mais verde a erva. Se ela murchar, recomenda-se consumi-lo o quanto antes. A questão é: com um queijo desses, quem consegue esperar a tal da folha murchar?

Fotografia: Adriano Fagundes / Paisagens Gastronômicas

 

Acompanhe as redes sociais da Leiteria Santa Paula

Curta a página no Facebook, clicando aqui.

Siga no Instagram, clicando aqui.

Paisagens Gastronômicas – da terra ao prato: um cultivo artesanal

Leia a matéria de apresentação do Paisagens Gastronômicas no blog da Donato

Aos interessados em conhecer a fundo essa iniciativa

É possível adquirir o livro Paisagens Gastronômicas com desconto especial para os leitores da Donato.

Para aplicar o desconto siga os seguintes passos

Clique aqui para acessar o site Paisagens Gastronômicas. Já no site deles clique em “loja”, em seguida na imagem do livro e clique em “adicionar ao carrinho”.  No espaço “inserir código promocional” digite a palavra Donato

 

Matérias relacionadas

PAISAGENS GASTRONÔMICAS — DA TERRA AO PRATO: UM CULTIVO ARTESANAL

O livro Paisagens Gastronômicas, lançado em 2019 pela editora independente Same Same, reforça a importância de olharmos com atenção para nossos hábitos de consumo. Especialmente, aqueles relacionados aos alimentos que colocamos na mesa e que contribuem para uma vida mais saudável e longeva. Na Donato, abraçamos esse projeto e vamos compartilhar uma série de histórias inspiradoras de pequenos produtores paulistas compromissados com a qualidade e a sustentabilidade.

PAISAGENS GASTRONÔMICAS — RAFA BOCAINA E SUAS DELÍCIAS FEITAS DE PORCO CAIPIRA

Curados, embutidos e defumados de porco produzidos artesanalmente por um respeitado chef de cozinha que virou pequeno produtor: as maravilhas que Rafael Cardoso tem produzido na sua Venda & Cozinha Curiango, na Serra da Bocaina, surpreendem quem tem a sorte de experimentá-las. Rafael, que assumiu o “sobrenome” Bocaina, é mais um destaque no livro Paisagens Gastronômicas, cujas histórias a Donato Viagens tem compartilhado.

PAISAGENS GASTRONÔMICAS — OS AZEITES DE BIA: COLHIDOS À MÃO, NA ENCOSTA DA SERRA

Em Santo Antônio do Pinhal, a Fazenda do Campo Alto produz os azeites Sabiá, dotados de surpreendente acidez. Idealizada pelo casal de publicitários Bia Pereira e Bob Vieira da Costa, a produção é pequena, mas nem por isso inexpressiva. Tamanha qualidade os levou a figurar entre os produtores selecionados no livro Paisagens Gastronômicas, com histórias saborosas que a Donato Viagens têm compartilhado por aqui.

Ver todos os posts

Para participar com seus relatos, fotos ou sugestões de assuntos e viagens, por favor envie um e-mail para [email protected]