PAISAGENS GASTRONÔMICAS — RAFA BOCAINA E SUAS DELÍCIAS FEITAS DE PORCO CAIPIRA

18.06.2020 em Novidades e Inspirações.
Autor do post: Xavier Bartaburu, autor do livro Paisagens Gastronômicas

Curados, embutidos e defumados de porco produzidos artesanalmente por um respeitado chef de cozinha que virou pequeno produtor: as maravilhas que Rafael Cardoso tem produzido na sua Venda & Cozinha Curiango, na Serra da Bocaina, surpreendem quem tem a sorte de experimentá-las. “Prova essa banha. Tem sabor a paçoca.” Tem mesmo. E derrete na língua. “Meu porco não tem gordura saturada”, proclama Rafael, que assumiu o “sobrenome” Bocaina e virou destaque no livro Paisagens Gastronômicas, cujas histórias a Donato Viagens tem compartilhado.

Em tese, qualquer porco genuinamente caipira, ele explica de colher na mão, suspensa no ar, com a banha escorrendo pelo cabo, oferece por si só uma gordura bem menos nociva à saúde humana do que, digamos, um óleo de soja. No caso dos porcos de Rafa Bocaina, o blend de dez grãos que serve como ração – entre eles gergelim, linhaça dourada, feijão-azuki e milho crioulo – ajuda a reduzir esse dano a quase zero pela mera ação das sementes no metabolismo do animal.

Ciência caipira com refinamento de chef

curiango

Para explicar as origens de sua obstinada suinofilia, Rafa volta três séculos no tempo, quando Silveiras, cidadezinha cravada no alto da Serra da Bocaina, era escala da maior importância na única conexão por terra entre São Paulo e Rio. É o ponto em que a história de sua família se mistura com a da própria região, que, por sua vez, se confunde com a do porco caruncho – a raça local que um dia foi uma das mais proficientes produtoras de banha do país, de grande serventia para as tropas que ali pousavam para descansar e comer. Depois veio a estrada de ferro, mais tarde a Via Dutra… e Silveiras, terra dos Cardoso, caiu no esquecimento – e o caruncho foi junto.

Rafael, quando jovem, ainda pegou um breve renascimento da economia local. A Bocaina, assim como todo o Vale do Paraíba, vivia o auge da produção leiteira. Mas o que interessava ao jovem Rafa, naquele momento, era o mundo: antes mesmo de atingir a maioridade, tocou-se para São Paulo. Começou estagiando no restaurante D.O.M., depois foi parar no País Basco, onde mergulhou nas fórmulas excêntricas do lendário Mugaritz, e chegou a desconstruir a maniçoba em Belém, na companhia do chef Paulo Martins. Em Belo Horizonte, virou chef de prestígio e prêmios. E, então, com 30 e poucos anos, largou tudo e voltou para Silveiras.

Rafa Bocaina

salame curiango

“Eu sempre quis produzir”

Já quando trabalhava no Mugaritz, Rafa lembra de receber os ingredientes da mão do produtor com o firme desejo de ser um deles: um homem do campo, e não da cozinha. Começou com a charcutaria, amor das antigas, que o levou a comprar a primeira porca, uma casca-de-mula prenha de um piau que lhe rendeu dez leitões. Multiplicados e acrescidos de novos companheiros, eles tornaram-se mais de cem suínos – todos caipiras, que se tornaram a matéria-prima de linguiças, salames, copas, culatellos, guanciales, queijos de cabeça e tantas outras delícias que o ex-chef e hoje padroeiro dos carunchos vive a inventar e curar.

salame Rafa Bocaina

embutidos Rafa Bocaina

Fotografia: Adriano Fagundes / Paisagens Gastronômicas

 

Conheça mais sobre as delícias do Rafa Bocaina

Acompanhe pelo Facebook, clicando aqui.

Siga no Instagram, clicando aqui.

Paisagens Gastronômicas – da terra ao prato: um cultivo artesanal

Leia a matéria de apresentação do Paisagens Gastronômicas no blog da Donato

Aos interessados em conhecer a fundo essa iniciativa

É possível adquirir o livro Paisagens Gastronômicas com desconto especial para os leitores da Donato.

Para aplicar o desconto siga os seguintes passos

Clique aqui para acessar o site Paisagens Gastronômicas. Já no site deles clique em “loja”, em seguida na imagem do livro e clique em “adicionar ao carrinho”.  No espaço “inserir código promocional” digite a palavra Donato

 

Matérias relacionadas

PAISAGENS GASTRONÔMICAS — DA TERRA AO PRATO: UM CULTIVO ARTESANAL

O livro Paisagens Gastronômicas, lançado em 2019 pela editora independente Same Same, reforça a importância de olharmos com atenção para nossos hábitos de consumo. Especialmente, aqueles relacionados aos alimentos que colocamos na mesa e que contribuem para uma vida mais saudável e longeva. Na Donato, abraçamos esse projeto e vamos compartilhar uma série de histórias inspiradoras de pequenos produtores paulistas compromissados com a qualidade e a sustentabilidade.

PAISAGENS GASTRONÔMICAS: PAULA, A PRODUTORA DE QUEIJOS QUE DÁ NOME ÀS VACAS

Paula Vergueiro sabe de cor o nome das 83 vacas das quais tira o leite para os queijos deliciosos que produz na premiada Leiteria Santa Paula, de São José do Rio Pardo. Ela é uma das pequenas produtoras de alimento de alta qualidade estreladas no livro Paisagens Gastronômicas – São Paulo, recém-lançado pela Editora Same Same e cujas histórias a Donato Viagens se orgulha de compartilhar.

PAISAGENS GASTRONÔMICAS — OS AZEITES DE BIA: COLHIDOS À MÃO, NA ENCOSTA DA SERRA

Em Santo Antônio do Pinhal, a Fazenda do Campo Alto produz os azeites Sabiá, dotados de surpreendente acidez. Idealizada pelo casal de publicitários Bia Pereira e Bob Vieira da Costa, a produção é pequena, mas nem por isso inexpressiva. Tamanha qualidade os levou a figurar entre os produtores selecionados no livro Paisagens Gastronômicas, com histórias saborosas que a Donato Viagens têm compartilhado por aqui.

Ver todos os posts

Para participar com seus relatos, fotos ou sugestões de assuntos e viagens, por favor envie um e-mail para [email protected]