São muitos os redutos de arte e cultura que merecem destaque em uma visita ao Rio de Janeiro. Aqui destacamos um bem especial, e que foge dos passeios convencionais!

UM REFÚGIO DE ALMA CARIOCA

Escrito por: Priscila Esteves, publicitária e colaboradora da Donato.

A beleza da capital carioca já é conhecida de outros carnavais. E falando nisso, foi num Carnaval, nos saudosos anos 30, que surgiu a marchinha responsável pelo icônico apelido de “Cidade Maravilhosa”. Desde então, ela não cansa de mostrar ao mundo suas riquezas. Com praias e montanhas lindas, seu ritmo alegre conquistou brasileiros e estrangeiros. O Rio também é berço do Samba, da Bossa Nova e da MPB!

Pela janela do avião, a visão da Baía de Guanabara já arrebata! Ao desembarcarmos aos pés do Cristo Redentor e de tantos outros marcos, por perto do Aeroporto Santos Dumont, esse sentimento se intensifica. Percebemos que a natureza foi generosa com o Rio de Janeiro e que a cidade, por si só, é uma grande obra de arte.

 Vista do Morro do Corcovado e do Pão de Açúcar

À beira do mar ou caminhando por seus bairros diversos, encontramos parques, museus, centros culturais e monumentos que evocam períodos importantes do Brasil. Já era de se esperar! A cidade que foi capital do país, porto essencial para o comércio e casa da família real portuguesa tem muita história para contar.

São muitos os redutos de arte e cultura que merecem destaque em uma visita ao Rio de Janeiro. Aqui destacamos um bem especial, e que foge dos passeios convencionais!

Parque Lage

 O Palacete do Parque visto de frente

A natureza que o cerca
Com uma combinação única entre meio ambiente e arte, o Parque Lage está localizado em uma porção intocada da Mata Atlântica. São 52 hectares de puro verde aos pés do Morro do Corcovado, o que nos faz imaginar quão fértil era a floresta nativa brasileira antes da colonização. Que maravilha termos esse abrigo para preservar as riquezas naturais para as próximas gerações!

A história do parque
Sua origem remete à época do açúcar. O local foi um engenho antes de receber, em 1840, o projeto paisagístico do inglês John Tyndale para construir um jardim com estilo romântico europeu. Um ornamento perfeito para o Palacete do Parque Lage, a antiga residência da cantora lírica italiana Gabriela Besanzoni e seu marido, o empresário brasileiro Henrique Lage.

O casarão se desenvolve em torno de uma piscina central com elementos em mármores, azulejos e ladrilhos italianos. No interior, seus salões requintados trazem memórias de um tempo distante, quando lá se concentrava a vida social da aristocracia brasileira em festas, reuniões e saraus. Mais tarde, foi tombada pelo IPHAN como Patrimônio Histórico e Paisagístico.

Palco de importantes manifestações artísticas e culturais
Hoje ele é aberto ao público e carrega uma grande importância pelas iniciativas artísticas. Lá funciona a Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV), que oferece formação gratuita para artistas iniciantes, cursos de capacitação em arte para jovens, além de uma intensa programação de exposições, seminários, palestras e mostras de vídeos.

Fundado pelo artista plástico Rubens Gerchman em um período de duras recordações para a classe artística, a Ditadura Militar, o ambiente transdisciplinar reunia dezenas de artistas e intelectuais, como Helio Eichbauer, Claudio Tozzi e Lelia Gonzáles. Em meados dos anos 70, oferecia oficinas a dois mil alunos como uma forma de estimulá-los e preservar a liberdade de expressão, que tanto era censurada pelo regime.

 Palácio onde funciona a Escola de Artes Visuais do Parque Lage

Não só as artes plásticas fizeram sucesso no Parque Lage, mas diversas outras manifestações artísticas. O local abrigou eventos prestigiados, como a 1ª Exposição Mundial de Fotografia, e o cinema ganhou um núcleo de estudos e um cineclube que exibiu regularmente filmes censurados e curtas dirigidos pelos alunos.

Em 1967 o premiado cineasta Glauber Rocha filmou no parque “Terra em Transe”, que entrou para a lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos. Ainda a icônica cena da piscina do clássico “Macunaíma” foi gravada lá em 1969. No teatro, abriu portas para o grupo Asdrúbal Trouxe o Trombone, formado por grandes nomes, como Regina Casé, Evandro Mesquita e Luiz Fernando Guimarães.

Música, poesia e dança também se misturavam em espetáculos de poetas marginais. Destaque para uma montagem da peça “O Rei da Vela”, elaborada por Zé Celso Martinez Corrêa. Inúmeros shows de música contaram com os célebres Caetano Veloso, Gilberto Gil, Milton Nascimento, Cazuza, Fagner e Chico César. Apesar do momento de grande censura, a cultura brasileira ganhou seu espaço!

Um passeio encantador
Visitar o Parque Lage é ideal para aqueles que querem conhecer um pouco mais da história do Rio de Janeiro, suas influências artísticas, culturais e tudo aquilo que foi essencial para a formação da Cidade Maravilhosa como ela é hoje.

Tomar um café à beira da piscina e conhecer seu jardim de Mata Atlântica são experiências únicas. Caminhar entre as palmeiras imperiais e contemplar sua beleza contrapõe a ideia que muitos têm da cidade e nos mostra que a tranquilidade, de fato, vive ali… Nesse pequeno refúgio de alma carioca!

 Café da manhã à beira da piscina do Palacete

Elaborar roteiros que agregam aprendizagem às viagens é parte do nosso propósito. Seja no Brasil ou fora dele, ainda há muito a explorar! Em maio de 2018, teremos mais uma vivência cultural em boa companhia. Nosso grupo vai passar um final de semana delicioso acompanhado pela querida professora de História da Arte Anamelia Bueno Buoro, para juntos descobrirmos o Rio de Janeiro enquanto contamos suas histórias.

+ Conheça nosso roteiro para o Rio de Janeiro!